Reunião com Centro Cultural 25 de Julho de Ijuí aconteceu no Museu

Nesta manhã, 27 de fevereiro, o Museu Antropológico Diretor Pestana recebeu o presidente e vice-presidente do Centro Cultural 25 de Julho de Ijuí, Rinaldo Egídio Gabbi Pezzetta e Joselei Kuff. A reunião ocorreu com o intuito de formar uma parceria

entre as instituições para a realização de atividades em comemoração aos 200 anos da imigração alemã.

Iselda Sausen Feil, diretora do Museu, ressalta que o encontro foi significativo para ambas as instituições, mostrando que existe possibilidade da realização de trabalhos conjuntos. Mais encontros serão realizados com o objetivo de concretizar a proposta de realização da atividade comemorativa.


Madp apresenta seu acervo sonoro no primeiro Domingo no Museu deste ano

O Museu Antropológico Diretor Pestana (Madp) abriu suas portas, neste final de semana, para o primeiro Domingo no Museu de 2024. E como temática desta edição, o Madp trabalhou a música, apresentando à comunidade seu acervo sonoro e desenvolvendo atividades que integraram o público.

No Espaço Ijuí Hoje, o Madp compartilhou com a comunidade parte do seu acervo de discos de vinil, que conta com cerca de 3 mil unidades, em sua maioria classificada na coleção Ijuí. A exposição “Sons da Cultura” foi selecionada dentro de um discurso expositivo para mostrar a importância dos discos de vinil como um marco da arte e da cultura, ressaltando essa materialidade como uma representação tangível da memória sonora que acompanha transformações sociais.

Enquanto isso, os DJs do Rockijuí, Maurício Librenz e Fabiana do Prado, embalaram a tarde com brasilidades, apresentando uma amostra da festa tradicionalmente realizada em Ijuí, a Tropicana.

O público pôde adquirir ou trocar livros e discos, em bancas instaladas no museu, e também pôde conhecer e adquirir produtos artesanais produzidos pelo coletivo de geração de trabalho e renda Substanciarte, vinculado ao Centro de Atenção Psicossocial - CAPS ad (Álcool e Drogas). Houve apresentação da Cia Cadagy e também distribuição de pipoca.

“Acertamos em cheio com a escolha da temática. Conseguimos trazer ao museu pessoas de todas as idades e apresentar parte deste acervo que pouco se vê e que tanto conecta o público. Foi possível perceber como a música é importante na nossa comunidade e como, por meio de parcerias, conseguimos promover um evento tão único, uma festa cultural”, destacou a diretora do Madp, Iselda Sausen Feil.


Primeiro "Domingo no Museu" será marcado por exposição sobre discos de vinil

Dentro dos diferentes gêneros documentais preservados no Museu Antropológico Diretor Pestana, encontra-se o acervo sonoro. O disco de vinil é um dos vários suportes que registram o som e no Madp, essa documentação ultrapassa um pouco mais de 3.000 unidades, em sua maioria, classificada na coleção Ijuí.

Entre 2008 e 2009, por meio do projeto patrocinado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o acervo passou por um processo de organização, armazenamento adequado, higienização e classificação, garantindo a preservação da memória sonora.

Pensando em compartilhar com a comunidade esse acervo preservado, será aberta à comunidade uma exposição sobre disco de vinil, instalada no Espaço Ijuí Hoje, possibilitando que o público entre em contato com esse material sonoro de forma expositiva. 

Inserida na programação, acontecerá uma edição especial da “Tropicana”, festa promovida pela produtora RockIjuí, que trará o ritmo da brasilidade como trilha da atividade.

Outro atrativo do evento será uma novidade que permitirá a interação entre a comunidade: a Banca de Trocas. Neste espaço, o público poderá disponibilizar seus discos de vinil e livros para realização de trocas gratuitas.

O “Domingo no Museu” também contará com bancas de vendas de disco de vinil, um sebo literário e os produtos artesanais produzidos pelo coletivo de geração de trabalho e renda “Substanciarte”, vinculado ao CAPS ad II.

O evento terá entrada gratuita, com a recepção da Cia. Cadagy e distribuição de pipoca e brindes pelo Aiqfome a partir das 15h.

Participe!


Pesquisa no Museu

 

Gabriel Brutti, técnico em Meio Ambiente e graduado em Ciências Biológicas, foi o primeiro pesquisador do ano a visitar o Museu para desenvolver, localmente, seus estudos.

Em sua pesquisa, Gabriel está realizando um resgate da fauna da região noroeste do estado, consultando registros, relatos e práticas que ocorriam no passado e que hoje não mais ocorrem. A proposta é compilar um acervo por meio de fotografias, reunindo material que comprove a existência de uma fauna local. Os materiais que estão auxiliando nas análises do pesquisador são provenientes do acervo documental preservado no Museu.

Gabriel, que descobriu o Museu por meio de referências, destaca que a instituição o auxiliou na busca de registros históricos relacionados aos estudos propostos. Ressalta ainda que a pesquisa permite encontrar novas respostas, instigando não apenas o pesquisador, mas também sensibilizando as pessoas que observam tais resultados.


Pesquisa no Museu

O professor Ivo Canabarro, doutor em Letras pela Unijuí, está desenvolvendo uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS), por meio do edital Pesquisador Gaúcho. A investigação em andamento terá como foco os fotógrafos gaúchos. Para contextualizar essa temática, Ivo iniciou sua pesquisa no Museu nesta semana, buscando os documentos fotográficos que a instituição preserva sobre a Família Beck e Eduardo Jaunsem.

Como produto, a primeira fase da pesquisa resultará em um conjunto de dois livros, materializando cada coleção objeto do estudo. Isso será feito por meio de um histórico sobre a coleção e algumas imagens complementares a esse recorte.

Ivo comenta que o Museu é a fonte primária de pesquisa e que esse espaço de salvaguarda já o auxiliou em pesquisas anteriores, resultando em materiais como genealogia das famílias, impressos sobre os fotógrafos, depoimentos e instrumentos dos estudos fotográficos.

Aqui em nossas redes, você acompanhará o desenvolvimento do projeto. Continue nos seguindo!


Museu Antropológico Diretor Pestana é a única instituição do estado a ser contemplada no "Prêmio Darcy Ribeiro de Educação Museal" pelo Ibram

 O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), vinculado ao Ministério da Cultura (MinC), premiou 30 instituições nacionais na 9ª edição do Prêmio Darcy Ribeiro. Este prêmio visa reconhecer e premiar práticas de educação museal realizadas por instituições museológicas privadas sem fins lucrativos, práticas alinhadas aos princípios e diretrizes da Política Nacional de Educação Museal (PNEM).
Com isso, o Museu Antropológico Diretor Pestana (Madp) foi uma das 30 instituições nacionais a receber tal reconhecimento por meio das ações educativas virtuais que vêm sendo realizadas nos últimos anos. As ações, que apresentam o suporte digital como um recurso de democratização das informações devido ao seu potencial de alcance de público nas mais diferentes regiões, proporcionam uma experiência educativa a um público diverso.

A premiação contemplou projetos que impulsionaram a educação museal como um processo abrangente e que abordaram múltiplas dimensões nos âmbitos teórico, prático e de planejamento. Como forma de trabalho constante, mantendo o diálogo entre Museu e comunidade, para o próximo ano o Museu realizará investimentos a partir da premiação para trazer a virtualidade como um processo contínuo.


Conversas Virtuais sobre letramento racial acontece no Museu na próxima quarta-feira

No dia 29 de novembro, de forma online no youtube do Museu Antropológico Diretor Pestana, acontecerá mais um encontro da série “Conversas Virtuais”, trazendo como pauta o letramento racial.

O objetivo do encontro é promover a conscientização, compreensão e reflexão crítica sobre questões relacionadas à diversidade cultural, visando capacitar as pessoas a reconhecer, analisar e desafiar as formas como o racismo estrutural e as práticas discriminatórias se manifestam na sociedade.

 

A atividade contará com a participação de Thayane Madruga, jornalista, doutoranda em Práticas Socioculturais e Desenvolvimento Social pela Unicruz - Cruz Alta e criadora do "Projeto Narrativas Negras"; tendo a mediação de Aline Mota, museóloga do Museu Antropológico Diretor Pestana.

 

Thayane Madruga, ressalta que espalhar conhecimento é fundamental. Ainda temos muito o que aprender sobre as questões raciais do Brasil e o impacto da desigualdade social na vida de determinados grupos. O Letramento racial é uma forma de revisitar a história do Brasil pela ótica daqueles que o construíram, é (des) e (re) construir conceitos e poder  entender melhor toda a potência, influência e relevância da cultura negra desde a época da escravidão até a sociedade de hoje.

 

Acesse aqui e participe!


Museu recebe visita de representantes do Sicredi das Culturas RS/MG

Na manhã de hoje, 17 de novembro, o Museu recebeu a visita do Sicredi das Culturas RS/MG, representados a partir do seu presidente Elmo Pedro von Mühlen e o seu vice-presidente Paulo Rogério Sapiezinski.

 

Os representantes foram recebidos pela equipe do Museu, onde puderam conhecer de perto o trabalho que vem sendo realizado e desenvolvido pela instituição. A diretora do Madp, Iselda Sausen Feil, reforça que estas visitas, que foram propostas para 2023, trazem mais visibilidade ao Museu, sendo estimulados em voltar novamente, sendo sensibilizados e descobrindo que aqui existe uma história a ser lida e relida.  

 

Seguimos abertos para receber mais visitas e estreitar a relação com a comunidade por meio conversas sobre o Museu Antropológico Diretor Pestana.


Baixe o caderno de Educação Patrimonial, jogue e descubra a cidade de Ijuí

 

Este caderno foi feito com o objetivo de ajudar a entender o que é patrimônio cultural e sua importância para a vida das pessoas, pois o patrimônio cultural tem a ver com nossa história, nossa memória, nossa cultura, portanto com nossa identidade enquanto indivíduos e comunidade. Além dos conceitos que nos fazem compreender sobre o patrimônio cultural local, você pode baixar o jogo de tabuleiro referente a ação educativa proposta pelo Museu.

O caderno é parte integrante do Projeto Valorização do patrimônio imaterial de Ijuí – As Benzedeiras, realizado pela Prefeitura Municipal de Ijuí e Governo do RS, e teve por objetivo a produção de um documentário e de uma exposição fotográfica sobre as atividades das benzedeiras e benzedores em Ijuí/RS.

O Projeto ao abordar a temática do benzimento pretendeu provocar uma reflexão sobre a importância do patrimônio material e imaterial na identidade da comunidade ijuiense uma vez que a figura das benzedeiras e dos benzedores, enquanto ícone de saberes e religiosidade, foi durante muito tempo a única alternativa a recorrer para sanar mazelas, tanto de ordem física quanto espiritual, razão pela qual era altamente requisitada e prestigiada. Portanto os registros destas atividades contribuirão para o empoderamento e dignificação destes personagens ainda presentes, embora em menor número, na vida e no imaginário cultural local.

 

Clique aqui, baixe o documento e divirta-se:

Caderno Educação Patrimonial


Museu abre nova exposição temporária